Assessoria Pedagógica

Assessoria Pedagógica
Educadora Sim

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Como promover o gosto pelas línguas estrangeiras


O aprendizado infantil pode ser incentivado em uma atmosfera salutar e divertida em casa e na escola. A interação dos pais neste universo infantil do ensino serve de grande ajuda para fortificar os passos das crianças nesta fase. Assim também funciona como o estudo de línguas estrangeiras.
O mundo ficou pequeno pela possibilidade de troca de informação através da tecnologia, da internet e das relações internacionais muito mais próximas, consequentemente. Os estudantes não só buscam uma formação acadêmica, mas também tentam se inserir neste meio globalizado e por isso o aprendizado de idiomas faz a diferença.
Dicas para a aprendizado do inglêsAinda na infância a criança pode ser incentiva a gostar de estudar outras línguas. A partir dos 5 anos ela já é capaz de adentrar neste universo e de construir um interesse pessoal que será amadurecido com o tempo.
É muito importante as crianças terem acesso ao aprendizado de maneira simples e divertida. No início não é preciso muitas cobranças, com o estudo do inglês, por exemplo, a formação do primeiro vocabulário, das primeiras palavras e pronúncias podem ser realizadas de forma lúdica, com a construção de personagens e através de brincadeiras.
Os desenhos e as músicas são ferramentas de colaboração para o estudo de idiomas na infância. Tente aproximar a criança desse contexto, com exercícios leves para que ela tome gosto e desenvolva a curiosidade pela língua em questão.
Construa com o filho ou aluno o vocabulário ilustrativo, ajude-o a montar o seu próprio livrinho, a relação desenho-palavra em inglês. Cada dia ou semana introduza novas palavras, como cores, números, nomes de animais, frutas e verduras. Em um curto período o conhecimento da criança vai exigir mais informação, naturalmente.
Tecnologia para idiomasO uso da tecnologia pode ser um estímulo para a criança fazer exercícios interativos online, através de jogos e questões que exercitem a memória e introduzam regras de gramática. Caso a família possa desembolsar a mensalidade de um curso de inglês, é importante manter o ritmo do estudo em casa também, além da prática em sala de aula.
A partir dos 12 anos já é possível planejar um intercâmbio, uma viagem internacional para aprimorar o estudo das línguas.  Há programas de intercâmbio teen,  que são destinados para crianças de 12 a 17 anos, em curtos períodos, geralmente nas férias escolares do Brasil e une atividades culturais e estudo da língua. O que deve ser planejado com um longo período de antecedência, e representa não só uma oportunidade de adquirir a fluência mas também de amadurecimento pessoal do estudante.

Texto e imagem enviados por  Roberta Clarissa  Leite
Organizado por Pedagoga Luziane Nonato

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Atividades didáticas para a criançada


O ato de alfabetizar e de transmitir conhecimento e troca de informações com as crianças inclui uma série de atividades de socialização e divisão de tarefas. Uma ótima maneira de enriquecer esse processo de aprendizagem é realizar passeios educativos, momentos em que os alunos podem ampliar a visão do conhecimento através de informações sonoras e visuais.
Para as crianças mais crescidas as feiras de conhecimento, feira de ciências ou encontros pedagógicos que envolvam a comunidade são cenários propícios para beneficiar o conhecimento individual do estudante.
Visita a museus e espaços culturais
O pais também podem dar sugestões de passeios educativos para as escolas. Não é saudável o ensino ficar condicionado apenas às páginas dos livros sem um contato direto dos alunos. Cada cidade tem fundações, locais para exposições e, respeitando a faixa etária da classe, programas extras podem ser inseridos e não necessariamente devem ser caros. São passeios que podem esclarecer informações de história, geografia, biologia e línguas.
Exposições e feiras
A preparação dos alunos para expor seus conhecimentos adquiridos é sempre um desafio, enriquece a auto-estima e a desenvoltura diante de outras pessoas e colegas de classe. É uma forma de mostrar para a comunidade qual o direcionamento que a escola segue e abrir sempre espaço para troca de opiniões e para encurtar distâncias entre pais e professores.
A arte como condutor de conhecimento
Outras gerações no passado tinham aulas de diversas atividades manuais e artísticas, atualmente o número e a oferta não são iguais. Essas atividades são de extrema importância para relaxar a criança e despertar talentos. Qual aluno de 5 anos não gosta de descobrir formas de pintar, fazer esculturas e literalmente por a mão na massa?
Mesmo o ensino brasileiros tendo como foco principal a preparação para o vestibular e a entrada em um curso de faculdade, as aulas de artes funcionam como um descompressor para aliviar o corre-corre do dia a dia. Além de que, as crianças passam a maior parte do tempo em diversões tecnológicas e se não houver um incentivo dos adultos as práticas de atividades lúdicas e artísticas são deixadas de lado.
Se a escola não pode arcar com essa oferta, uma boa escolha é procurar um ateliê com cursos de arte voltados para crianças, despertar esse interesse é sem dúvida dar à criança um presente para toda a vida. Desde pintura, escultura ou desenho, incluindo o desenho em quadrinhos, muito popular na infância.
Em alguns momentos em casa também é possível compartilhar esses momentos, realizar alguma atividade manual entre pais e filhos sempre acaba em diversão.

Texto e imagem- Roberta Clarisse Leite
Postagem organizada por Pedagoga Luziane Nonato