Assessoria Pedagógica

Assessoria Pedagógica
Educadora Sim

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Texto para 1ª reunião de pais do ano letivo.

Encontrei este texto no blog Cantinho do saber e fiz algumas adaptações para passar a mensagem que desejo aos pais dos meus alunos do 2º período, pois é típico neste período a ansiedade e cobranças dos mesmos em cima dos pequenos e tais atitudes , já sabemos que não são saudáveis para o processo de ensino-aprendizagem para as crianças que tem muitos outros conflitos a serem resolvidos.




cONTA-SE QUE EM UMA FLORESTA VÁRIOS ANIMAIS DECIDIRAM CRIAR UMA ESCOLA. PARA ISSO SE REUNIRAM E COMEÇARAM A DEFINIR AS DISCIPLINAS A SEREM MINISTRADAS NA ESCOLA.
o PÁSSARO INSISTIU PARA QUE HOUVESSE AULAS DE VÔO, JÁ O ESQUILO ARGUMENTOU INSISTINDO NA IMPLANTAÇÃO DA SUBIDA PERPENDICULAR EM ÁRVORES, POIS PARA ELE ERA FUNDAMENTAL.
E ASSIM FOI FEITO, INCLUÍRAM TUDO, PORÉM COMETERAM UM GRANDE ERRO: DECIDIRAM QUE TODOS OS ANIMAIS DEVERIAM CURSAR TODAS AS DISCIPLINAS OFERECIDAS.
O COELHO FOI MAGNÍFICO NA CORRIDA, NINGUÉM CORRIA COMO ELE. MAS QUERIAM E NSINÁ-LO A VOAR... COLOCARAM-NO EM UMA ÁRVORE E DISSERAM: - “VOA COELHO!” ELE SALTOU LÁ DE CIMA E “PLUFT”... COITADINHO! QUEBROU AS PERNAS. O COELHO NÃO APRENDEU A VOAR E ACABOU SEM PODER CORRER TAMBÉM.
O PÁSSARO VOAVA COMO nenhum OUTRO, MAS O OBRIGARAM A CAVAR BURACOS COM A TOPEIRA. QUEBROU O BICO E AS ASAS, E DEPOIS NÃO CONSEGUIA VOAR TÃO BEM, E NEM APRENDEU A CAVAR BURACOS.

MORAL DA HISTÓRIA: TODOS NÓS SOMOS DIFERENTES UNS DOS OUTROS E CADA UM DESENVOLVE HABILIDADES DIFERENTES TAMBÉM. CABE A ESCOLA COM A PARCERIA DA  FAMÍLIA EXPLORAR AS HABILIDADES DAS CRIANÇAS DE FORMA INTEGRAL SEM FORÇAR O DESENVOLVIMENTO E AS RESPOSTAS DOS ESTÍMULOS AFINAL CADA CRIANÇA TEM TAMBÉM O SEU TEMPO, A SUA HORA CERTA DE DEMOSTRAR TUDO AQUILO QUE APRENDEU E O QUANTO DESENVOLVEU. NÃO DEVEMOS COMPARAR UMA CRIANÇA COM A OUTRA ESPECIALMENTE NO QUE DIZ RESPEITO AO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM, POIS CADA CRIANÇA É ÚNICA.

TEXTO RETIRADO DO BLOG cantinho do saber e
adaptado/revisado por pedagoga luziane nonato

oRGANIZADO POR PEDAGOGA lUZIANE nONATO 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Como promover o gosto pelas línguas estrangeiras


O aprendizado infantil pode ser incentivado em uma atmosfera salutar e divertida em casa e na escola. A interação dos pais neste universo infantil do ensino serve de grande ajuda para fortificar os passos das crianças nesta fase. Assim também funciona como o estudo de línguas estrangeiras.
O mundo ficou pequeno pela possibilidade de troca de informação através da tecnologia, da internet e das relações internacionais muito mais próximas, consequentemente. Os estudantes não só buscam uma formação acadêmica, mas também tentam se inserir neste meio globalizado e por isso o aprendizado de idiomas faz a diferença.
Dicas para a aprendizado do inglêsAinda na infância a criança pode ser incentiva a gostar de estudar outras línguas. A partir dos 5 anos ela já é capaz de adentrar neste universo e de construir um interesse pessoal que será amadurecido com o tempo.
É muito importante as crianças terem acesso ao aprendizado de maneira simples e divertida. No início não é preciso muitas cobranças, com o estudo do inglês, por exemplo, a formação do primeiro vocabulário, das primeiras palavras e pronúncias podem ser realizadas de forma lúdica, com a construção de personagens e através de brincadeiras.
Os desenhos e as músicas são ferramentas de colaboração para o estudo de idiomas na infância. Tente aproximar a criança desse contexto, com exercícios leves para que ela tome gosto e desenvolva a curiosidade pela língua em questão.
Construa com o filho ou aluno o vocabulário ilustrativo, ajude-o a montar o seu próprio livrinho, a relação desenho-palavra em inglês. Cada dia ou semana introduza novas palavras, como cores, números, nomes de animais, frutas e verduras. Em um curto período o conhecimento da criança vai exigir mais informação, naturalmente.
Tecnologia para idiomasO uso da tecnologia pode ser um estímulo para a criança fazer exercícios interativos online, através de jogos e questões que exercitem a memória e introduzam regras de gramática. Caso a família possa desembolsar a mensalidade de um curso de inglês, é importante manter o ritmo do estudo em casa também, além da prática em sala de aula.
A partir dos 12 anos já é possível planejar um intercâmbio, uma viagem internacional para aprimorar o estudo das línguas.  Há programas de intercâmbio teen,  que são destinados para crianças de 12 a 17 anos, em curtos períodos, geralmente nas férias escolares do Brasil e une atividades culturais e estudo da língua. O que deve ser planejado com um longo período de antecedência, e representa não só uma oportunidade de adquirir a fluência mas também de amadurecimento pessoal do estudante.

Texto e imagem enviados por  Roberta Clarissa  Leite
Organizado por Pedagoga Luziane Nonato

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Atividades didáticas para a criançada


O ato de alfabetizar e de transmitir conhecimento e troca de informações com as crianças inclui uma série de atividades de socialização e divisão de tarefas. Uma ótima maneira de enriquecer esse processo de aprendizagem é realizar passeios educativos, momentos em que os alunos podem ampliar a visão do conhecimento através de informações sonoras e visuais.
Para as crianças mais crescidas as feiras de conhecimento, feira de ciências ou encontros pedagógicos que envolvam a comunidade são cenários propícios para beneficiar o conhecimento individual do estudante.
Visita a museus e espaços culturais
O pais também podem dar sugestões de passeios educativos para as escolas. Não é saudável o ensino ficar condicionado apenas às páginas dos livros sem um contato direto dos alunos. Cada cidade tem fundações, locais para exposições e, respeitando a faixa etária da classe, programas extras podem ser inseridos e não necessariamente devem ser caros. São passeios que podem esclarecer informações de história, geografia, biologia e línguas.
Exposições e feiras
A preparação dos alunos para expor seus conhecimentos adquiridos é sempre um desafio, enriquece a auto-estima e a desenvoltura diante de outras pessoas e colegas de classe. É uma forma de mostrar para a comunidade qual o direcionamento que a escola segue e abrir sempre espaço para troca de opiniões e para encurtar distâncias entre pais e professores.
A arte como condutor de conhecimento
Outras gerações no passado tinham aulas de diversas atividades manuais e artísticas, atualmente o número e a oferta não são iguais. Essas atividades são de extrema importância para relaxar a criança e despertar talentos. Qual aluno de 5 anos não gosta de descobrir formas de pintar, fazer esculturas e literalmente por a mão na massa?
Mesmo o ensino brasileiros tendo como foco principal a preparação para o vestibular e a entrada em um curso de faculdade, as aulas de artes funcionam como um descompressor para aliviar o corre-corre do dia a dia. Além de que, as crianças passam a maior parte do tempo em diversões tecnológicas e se não houver um incentivo dos adultos as práticas de atividades lúdicas e artísticas são deixadas de lado.
Se a escola não pode arcar com essa oferta, uma boa escolha é procurar um ateliê com cursos de arte voltados para crianças, despertar esse interesse é sem dúvida dar à criança um presente para toda a vida. Desde pintura, escultura ou desenho, incluindo o desenho em quadrinhos, muito popular na infância.
Em alguns momentos em casa também é possível compartilhar esses momentos, realizar alguma atividade manual entre pais e filhos sempre acaba em diversão.

Texto e imagem- Roberta Clarisse Leite
Postagem organizada por Pedagoga Luziane Nonato


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Transporte Escolar


Como escolher o transporte escolar para sua criança


O caminho de casa para escola e vice-versa é repetido diariamente e nem sempre os pais tem tempo ou transporte próprio para fazer esse roteiro com os filhos. A distância, o horário e o perigo são motivos que levam famílias a optarem por um transporte escolar privado.
Mas como escolher? Da mesma forma que todo motorista de carro passeio precisa fazer revisões periódicas, garantir o seguro de carro e passar por vistorias, a regra se repete. E quando o transporte envolve mais passageiros a segurança deve ser seguida à risca.
Seguem algumas dicas que ajudam você a prestar atenção em detalhes que fazem a diferença.

1 – Confira a regularização do veículo

Para fazer o transporte escolar o veículo precisa estar preparado para isso e passar por uma vistoria cuja função é avaliar e dar ao condutor a permissão para tal atividade. Inclusive essa vistoria deve acontecer a cada 6 meses pelo Departamento Municipal de Trânsito.
Regras do Conselho Nacional de Trânsito devem ser respeitadas, não é só a faixa amarela que garante que o veículo tem regularização, por isso confira o selo de inspeção afixado no para-brisa do veículo e o documento do condutor.

2 – Conheça o motorista

Vá pessoalmente conversar com o motorista e peça, sem constrangimento, para ver sua habilitação, é exigida habilitação D para esse tipo de transporte. Tenha o número do celular para qualquer necessidade de contato com o condutor. Caso faça parte de uma empresa, tenha os contatos e leia detalhadamente o contrato em papel, caso haja.
Alguns pedem reserva de vaga durante as férias e reajuste de preço conforme mudança de valores do combustível.

3 – Saiba do roteiro

Principalmente em grandes cidades, há muitas direções e bairros distantes, é importante escolher um transporte que faça a área onde você mora, isso evita que a criança passe horas dentro do carro dando voltas pela cidade até finalmente chegar em casa.
Algumas empresas que oferecem esse serviço dividem os roteiros exatamente respeitando um raio de quilômetros incluindo a condução nos bairros que fazem parte da mesma região.

4 – Confira equipamentos de segurança

Você não precisa ser especialista, nem vai abrir o capô do veículo para testar o motor, claro. Mas ao menos saiba para quantas crianças o veículo faz o transporte, caso tenha uma capacidade superior a 20 lugares, é obrigatória a presença de um acompanhante.
Para transporte de crianças pequenas o veículo deve ter os assentos de carro exigidos por lei, as conhecidas cadeirinhas, de acordo com a idade.
O número de cintos de segurança deve ser igual ao número de passageiros, os vidros das janelas só podem ser abertos até 15 cm, para evitar que a criança coloque a cabeça para fora do veículo.

5 – Conforto também é requisito

Se você paga por um serviço você tem direito a exigir qualidade. O verão brasileiro chega a temperaturas altas, o trânsito congestionado muitas vezes faz um simples percurso durar o dobro do normal, o que significa que seu filho precisa sentir-se confortável, a climatização – com ar-condicionado limpo e a limpeza geral do veículo devem estar entre suas exigências também.

Texto e imagem enviados por Roberta Clarisse Leite


Postagem organizada por Pedagoga Luziane Nonato